Em memória dos Incêndios de 2016

Este ano, mais uma vez, Portugal foi agressivamente “atacado” por incêndios um pouco por todo o país. As bases do problema são geralmente sempre as mesmas mas parece que nem a história impede que estas tragédias continuem a acontecer ano após ano e de forma cada vez mais perturbadora.

Felizmente (pelo menos no que toca às altas temperaturas e consequentes incêndios) o Verão acabou e com ele chega a calmaria sazonal.

No caos da minha caixa de correio encontrei, no meio de muitas outras ideias soltas (que teimo em enviar para mim mesma para não esquecer e quiça um dia escrever) encontrei este lindo poema que escrevi aquando das várias calamidades que foram notícia…

naom_57a9f554c4dd0

Arde forte,  fortemente
Vou chamar o tinoni
Será fumo será vento
Vento não é certamente
E o fumo não arde assim
Fui ver… Era o incendiário que devia estar de cana mas foi solto na semana passada

 

Eu sei…só pela piada seca que acabei de escrever já há risco de incêndio e dos grandes. Porém, a verdade é que, se continuarmos a deixar em liberdade criminosos assumidos, qualquer dia não há verdura que arda…

Espero que esta chama de fazer hoje um post se extenda pela diminuta área do meu cérebro e que me faça regressar à escrita brevemente…Ideias tenho tantas que me desoriento…

Até já marinheiros

 

 

One thought on “Em memória dos Incêndios de 2016

  1. Ainda bem que estás de volta.
    Como de costume,fico à espera da próxima cronica.
    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *